03 julho 2007

Coerência

Os juízes devem seguir o que sempre defenderam e acompanhar a jurisprudência. Os políticos, assim como os amantes, devem manter suas promessas. Os empregados esperam que os dias não lhes assustem com surpresas, e assim, agem conforme acreditam agradar aos chefes. Os pais sabem que seus filhos são lindos bebês, e coerentemente reclamam quando alguém quer puni-los por espancarem empregadas no ponto de ônibus. Os amigos sempre foram amigos, e coerentemente continuaram a sê-lo.

As pessoas torcem pela coerência, os juízes seguem a coerência, os políticos se dizem coerentes, os empregados esperam coerência, os chefes exigem coerência, as mães acreditam na coerência, os namorados juram coerentes, os amigos celebram a coerência, mas... o demônio habita dentro de todos nós, e ele diz: "Meu nome é Legião, porque somos muitos.” (São Marcos 5, 9).

Quantos preferem acreditar num Raul Seixas, na metamorfose ambulante? O que há de tão demoníaco na incoerência, e de tão mágico?

"Seja a mudança que você quer no mundo" - Mahatma Gandhi. A coerência cansa. As pessoas estão presas dentro dos padrões que sempre viveram. Não querem mostrar aos outros que estavam errados, sabem que o mundo gira, mas nunca rápido. Sabem que podem mudar, contanto que coerentemente devagar. A coerência nos aprisiona, a coerência é nossa gaiola. Ser soldado e ir ao Iraque atrás de armas químicas. Ora, descobrir que elas não existiam obriga a arrumar outras justificativas, pelo mundo livre, melhor morrer que mudar. Porque apenas morrendo você estará livre para voar. Livre para ser diferente. "Morrerei e serei milhões" disse Espártaco.

Não cobre sempre a coerência dos outros. A coerência pura produz alguns dos maiores chatos que você conhece...

2 comentários:

Loba disse...

Carlos, me permita te plagiar: belo blog!
Não vou comentar nenhum dos posts que li. Embora haja coerência entre eles, cada um provoca uma discussão à parte.
Então digo apenas que partilho com vc o gostar muito de Rubem Alves e que desconfio de quem se diz coerente. Não há coerência no humano, por mais que haja um pensamento lógico coerente. Costumo dizer que sou coerente com os meus momentos e que estes momentos são incoerentes entre si.
Enfim, gostei das leituras que fiz aqui. E termino dizendo: sonho, existo e crio! rs...
Beijos

Angela disse...

Namorado, anda filosófico, não?
Estou adorando os textos... Beijos