04 julho 2007

Ainda sobre a repetência...

Resposta para o Post da Viviane:
http://pessoasetempo.blogspot.com/
Mais uma resposta imensa:
Oi Viviane, ótimo ver que você passou por aqui e também me escutou. Se tiver paciência, desenvolvi mais o assunto:

1 - Gustavo Ioschpe (economista) aponta que o salário dos professores no Brasil não destoa da realidade dos salários brasileiros. Ou seja, um professor na Alemanha ganha dez vezes o que ganha um professor no Brasil, mas um encanador na Alemanha também ganha dez vezes o que ganha um encanador aqui. O mesmo é válido para um médico, para um engenheiro.. Você só vai notar diferença no final da curva, quando estamos discutindo salário de presidente de multinacional que é o mesmo no mundo inteiro... Conheço projetos educacionais fantásticos em que o professor mal ganha para comer e a coisa vai bem. O professor em São Paulo ganha no mínimo 1.200,00 reais, e o nosso ensino não é muito melhor que no Rio. (ok, acho 400 pouco).

2 - Posso concordar que o professor tenha o direito de reprovar um ou até dois alunos por turma, mas eu me lembro bem de professores de segunda série reprovando 40% de uma turma porque "eles eram bagunceiros"... Isso não era excessão, era regra. Se um professor só consegue ensinar 60% da turma, e vamos deixar claro, estamos falando de CRIANÇAS de 8-9 anos,e não de drogados de 15, quem precisa ser reprovado é ele.

Observe essa frase: "Em primeiro lugar, a culpa pelo fracasso escolar não é dos alunos. Parece óbvio, mas não é: entrevistados, 77% dos professores declararam ser o desinteresse do aluno a razão de sua repetência".
Inclusive vale a pena ler o texto inteiro:
http://www.reescrevendoaeducacao.com.br/2006/pages.php?recid=22


3 - O professor no Brasil ganha mal. MAS está cheio de regalias, coisas absurdas como "uma falta remunerada por mês para as professoras sem precisar de atestado (resquício da época que mulher só podia ser professora)" - Coincidentemente tais "doenças" caem sempre nas sextas e segundas (dados da secretária do ensino do Estado de São Paulo). Ou que tal três meses de férias por ano. Qual a outra profissão que tem esses direitos? Isso faz com que um professor ganhe mal, mas trabalhe "pouco" e custe caro.
O ponto principal: muito professor acredita que ele é "fim". Ou seja, acredita que o sistema educacional existe para resolver os problemas dele e não para educar... na cabeça desses, o colégio ideal não têm alunos.

4 - Acho a profissão de professor nobre, dou aulas também, além disso, minha mãe tem uma escola particular faz mais de 26 anos (todos os professores são contratados), não estou dizendo que as condições são boas, estou dizendo que é hora de parar de reclamar das condições e mudar e se mexer, e transformar-se em um agente... Ou o nosso professor acorda, ou nos estamos lascados. Ou o professor entende que ele é o empreendedor da educação ou já era. E para que nosso professor acorde, quem tem que acordar são os pais, que tem que ir até o diretor e falar:
- Como assim hoje não tem aula devido à falta de professor?
- Como assim o meu filho na terceira série não sabe escrever?
- Como assim o menino na quinta não entende o que lê?
Ou o professor ensina, ou a vida ensina, não necessariamente as lições e os valores que julgamos importantes.
Porque acredite em mim: As crianças, indenpendente da vontade do professor, aprendem.

2 comentários:

Viviane Mag disse...

Ola! Segue o link: http://pessoasetempo.blogspot.com/2007/07/educao-iii-resposta-ao-segundo-texto-do.html

Paulo disse...

Gracias pelo comentário na barata, :). Volte sempre que puder.
Aquele abraço.